Ministro Helder acompanhado do prefeito de Xinguara Osvaldinho Assunção e Deputado Federal José Priante vistoriando uma ponte levada pela água.

Ministro Helder acompanhado do prefeito de Xinguara Osvaldinho Assunção e Deputado Federal José Priante vistoriando uma ponte levada pela água.

A região sudeste do Pará está sendo castigada por fortes chuvas que estão causando grandes prejuízos para os moradores e cidades locais. Segundo dados da Defesa Civil, nos últimos 15 anos, o período mais intenso de chuvas tem seu ápice nos meses de março e abril.

Para vistoriar a situação, o ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, junto com a equipe técnica da Defesa Civil, Adelaide Nacif e Daniel Martins, estiveram nesta segunda-feira (12), nas cidades de Xinguara, Conceição do Araguaia e Parauapebas. O deputado federal, José Priante, e o deputado estadual, José Scaf também acompanharam a vistoria.

A agenda iniciou com uma reunião de trabalho na Câmara Municipal de Xinguara. No local, o ministro ouviu dos gestores municipais os principais transtornos vividos pelas cidades, avaliando os danos e auxiliando os municípios nas ações de socorro e assistência. Estiveram presentes os prefeitos das cidades de Rio Maria, Conceição do Araguaia, Sapucaia, Eldorado dos Carajás, São Geraldo do Araguaia, Água Azul do Norte, Tucumã, São Félix do Xingu, Cumaru do Norte e Xinguara.

RECURSOS

Segundo o ministro Helder, após o recebimento dos projetos que as Prefeituras devem apresentar, o próximo passo será o reconhecimento da situação de emergência pela Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil (Sedec), para que o Ministério da Integração Nacional disponibilize o recurso necessário às ações. “Fiz questão de estar hoje na região para olhar de perto todos os problemas que estão ocorrendo, para que possamos encontrar soluções o mais rápido possível, garantindo recursos e trazendo tranquilidade às famílias”, disse.

O ministro acrescentou que os trabalhos devem continuar para a reconstrução das áreas atingidas. “Esta reunião possibilita ainda o entrosamento das equipes municipais e da Defesa Civil Nacional, para que estejam trabalhando lado a lado com o objetivo reconstruir os locais afetados. Essa é a nossa missão, é nossa obrigação”, ressaltou.  Além disso, salientou que as outras cidades paraenses, que também enfrentarem enchentes devem passar por homologação dos decretos de emergência.

Após a reunião na Câmara Municipal de Xinguara, o ministro seguiu até as áreas mais atingidas da cidade. Um dos locais visitados foi o bairro Marajoara II, onde uma casa ficou soterrada.

PREJUÍZOS

A região sudeste é a que mais se concentram atualmente as ações da Defesa Civil.  Em Xinguara, as enchentes também provocaram estragos na BR-155, e 160 famílias ficaram desabrigadas e alojadas em um ginásio de esportes da cidade. O prefeito Osvaldinho Assunção falou da situação critica nas cidades. “É uma honra para nossa cidade sediar esta reunião de trabalho tão importante, onde estamos juntos buscando encontrar as soluções. Desde já mais uma vez agradeço o ministro Helder por essa dedicação e também por tantas conquistas garantidas para Xinguara como 400 casas, equipamentos e asfalto”, disse o prefeito.

Já em Rio Maria, o nível do rio que tem o nome da cidade aumentou de seis para 9 metros.  O prefeito Paulinho Dias, disse ainda que o problema se repetiu em 2017. “Passamos pelo mesmo problema que as demais cidade e estamos juntos lutando para superar mais essa dificuldade. Gostaria de agradecer toda atenção e dedicação o ministro Helder e dizer que é muito importante o atendimento emergencial que a Defesa Civil através do Ministério da Integração Nacional tem feito por nossa região”, afirmou.

O deputado federal, José Priante, citou a mudança positiva na Defesa Civil do Pará.  “Nunca tinha visto na história um momento como este aqui no estado. Antes, a cada episódio de chuva que ocorria, os prefeitos tinham que se deslocar até Brasília com a esperança de serem recebidos por um ministro para ter acesso ao apoio da Defesa Civil, mas hoje o caminho foi inverso”, disse Priante. “Hoje somos nós que recebemos a visita de um ministro trazendo resposta imediata do governo federal”, finalizou.

“Sempre estamos aqui na região trazendo recursos, e no momento tão delicado como este não poderíamos deixar de estar presentes. Parabenizar a sensibilidade de sempre do ministro Helder com nosso estado”, comentou o deputado estadual, José Scaf.

VISTORIAS

De Xinguara o ministro seguiu para Conceição do Araguaia, que também foi atingida pelas enxurradas, comprometendo cerca de 7 mil quilômetros de estradas vicinais, além da destruição de diversas pontes na zona rural. Ao lado do prefeito da cidade, Jair Martins, Helder vistoriou o bairro Vila da Amizade.  “Nós estamos agilizando para entregar nosso relatório o quanto antes à Defesa Civil e resolver essa triste situação em nosso município”, disse o prefeito.

Helder encerrou a agenda em Parauapebas onde vistoriou as áreas mais atingidas pelas fortes chuvas como Riacho Doce e bairro Liberdade.

As águas do Rio Parauapebas atingiram a extensão de 17 quilômetros dentro da cidade. Desde o início da enchente, registrada no dia 06 de deste mês, o nível do rio Parauapebas teve seu pico máximo no último sábado, 10, quando atingiu 13,05 metros. Aproximadamente duas mil famílias foram atendidas diretamente pela Defesa Civil, sendo que 30 foram levadas para o abrigo da prefeitura e as demais foram para casa de parentes ou amigos.

“Da semana que vem em diante nós vamos iniciar um trabalho para colocar todas as famílias de baixo de um teto porque ainda vão ser dois meses de muita chuva e nós podemos permitir que mais pessoas sofram”, disse Darci Lermem, prefeito de Parauapebas.

http://xinguaraativa.com.br/wp-content/uploads/2018/02/HELDER-XIN.jpghttp://xinguaraativa.com.br/wp-content/uploads/2018/02/HELDER-XIN-150x150.jpgGesiel TeixeiraClimaDestaquesExclusivaPolíticaXinguaraMinistro Helder vistoria áreas atingidas por fortes chuvas,xinguara
A região sudeste do Pará está sendo castigada por fortes chuvas que estão causando grandes prejuízos para os moradores e cidades locais. Segundo dados da Defesa Civil, nos últimos 15 anos, o período mais intenso de chuvas tem seu ápice nos meses de março e abril. Para vistoriar a situação,...
Compartilhe: Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn