Pará é o pior do Brasil em oportunidades na educação (Foto: Fernando Araújo/Diário do Pará)

(Foto: Fernando Araújo/Diário do Pará)

Dois estados brasileiros apresentam quase o mesmo perfil quando são comparados o número de habitantes e o Produto Interno Bruto (PIB). O Pará e o Ceará poderiam seguir com suas semelhanças e dificuldades para enfrentar as desigualdades sociais. Mas, nos últimos anos, um fator determinante coloca o Estado cearense a anos luz de distância do Pará: a revolução no sistema educacional que posiciona as escolas cearenses no topo dos rankings nacionais.

Os 10 piores e melhores municípios no ranking (Ilustração)

O da segunda edição do Índice de Oportunidade da Educação Brasileira (IOEB), divulgado a semana passada pelo Centro de Liderança Pública (CLP) mostra exatamente a distância abismal entre os 2 estados. O Ceará tem 11 municípios, dos 184 do Estado – com Sobral no topo -, na lista dos 25 melhores em oportunidade para a educação do Brasil. O Pará, em direção contrária está entre os piores. Quando medidas as oportunidades educacionais em todos os estados brasileiros e no Distrito Federal, o Pará desponta na última colocação no ranking com nota 3,8 (variação pode ir de 0 a 10). O Ceará aparece em 6o, com nota 4,9 e São Paulo desponta em 1o, com 5,3.

AVALIAÇÃO

Junto com o Pará nas últimas posições do ranking estão o Maranhão (3,8) e Bahia (3,9). O Amapá vem em seguida com nota 4,0, Roraima com 4,1 e Amazonas em 16o lugar com 4,3. O Estado da região Norte mais bem posicionado é o Acre, com 4,6 (12o no ranking) e Rondônia, com 4,5 (14o). No ranking das capitais, Belém ficou em 25o entre as 27 avaliadas, com nota 3,8. A mais bem colocada foi São Paulo (5,2), seguida por Curitiba (4,9) e Rio Branco (4,9), o mais bem avaliado município da região Norte. Fortaleza ficou em 13o, com 4,5. O Pará teve nota 1,0 no insumo “proporção de diretores com pelo menos 6 anos de experiência na escola”.

Da educação infantil ao ensino médio (Luiza Mello/Diário do Pará)

Na avaliação dos anos iniciais do Ideb, o Pará obteve nota 4,0 enquanto o Ceará obteve 6,0 e o Acre 5,0. Na avaliação dos anos finais do Ideb o Pará teve nota 3,0, Ceará 5,0 e Acre 4,0. Quando a avaliação foi feita na taxa de matrícula no ensino médio o Pará obteve 4,0, Ceará 6,0 e Acre 7,0.

(Luiza Mello/Diário do Pará)

http://xinguaraativa.com.br/wp-content/uploads/2017/12/destaque-471859-dp20170525_fernandoaraujo.jpghttp://xinguaraativa.com.br/wp-content/uploads/2017/12/destaque-471859-dp20170525_fernandoaraujo-150x150.jpgGesiel TeixeiraDestaquesEducaçãoParáPará é o pior do Brasil em oportunidades na educação
Dois estados brasileiros apresentam quase o mesmo perfil quando são comparados o número de habitantes e o Produto Interno Bruto (PIB). O Pará e o Ceará poderiam seguir com suas semelhanças e dificuldades para enfrentar as desigualdades sociais. Mas, nos últimos anos, um fator determinante coloca o Estado cearense...
Compartilhe: Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn