A doação de rins pode ser feita tanto entre pacientes intervivos (Foto: Reprodução/Agência Pará)

A doação de rins pode ser feita tanto entre pacientes intervivos (Foto: Reprodução/Agência Pará)

 A Central de Transplantes do Pará divulgou neste sábado (30) uma marca histórica: mais de quatro doadores para cada um milhão de habitantes, índice nunca alcançado em nível estadual. O número de transplantes realizados em 2017 é grande. Até agosto, foram realizados 197 transplantes de córnea, número superior ao registrado em 2016, que foi de 195. O mesmo desempenho também foi constatado nos transplantes de rim que em 2016 somaram 57 e em 2017 até o mês de agosto chegam a 58.

“Essa superação motiva a todos a prosseguir com o trabalho de captação de órgãos nos hospitais, que exige muita dedicação, em regimes de plantão 24 horas. Essa marca mostra que estamos no caminho certo e estimula tanto os nossos profissionais, quanto a população”, comemora Ana Beltrão, coordenadora da Central de Transplantes.

De acordo com a coordenação, a meta da Central de Transplantes é avançar ainda mais para chegar perto de estados como Santa Catarina, que registra uma média superior a 36 doadores para cada um milhão de habitantes.

No Pará são realizados transplantes de rim e córnea nos hospitais Ophir Loyola (córnea e rim), Saúde da Mulher (somente rim), Betina Ferro (córnea, pelo SUS), Clínica Cinthia Charone (córnea pelo sistema privado e SUS), além de algumas clínicas privadas credenciadas. Em Santarém, por meio do Sistema Único de Saúde (SUS) e da rede privada, é feita a captação de córneas e rins para transplantes. Já está credenciado o transplante renal no Hospital Regional do Baixo Amazonas (HRBA), no qual já foram realizados seis transplantes de rim neste ano.

Quem pode doar?

A doação de rins pode ser feita tanto entre pacientes intervivos – quando uma pessoa viva doa para o paciente – ou, no caso de paciente que tenha vindo à óbito, diante da comprovação de morte encefálica. No caso da córnea, todo indivíduo que morre torna-se um doador em potencial, exceto nos óbitos provocados por hepatites, infecção generalizada e HIV. Pessoas idosas ou com câncer também podem doar córneas, exceto nos casos de câncer hematológico.

O trabalho de captação é feito pelas equipes da Organização de Procura de Órgãos que atuam 24 horas no Hospital Regional do Baixo Amazonas, em Santarém, e no Hospital Regional de Redenção. Em Belém, a captação é feita no Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência, no Hospital e Pronto Socorro Mario Pinotti, (14 de Março), Hospital e Pronto Socorro Municipal Humberto Maradei Pereira (Guamá) e no Hospital Ophir Loyola. Nesses locais, as equipes entram em contato pessoalmente com os familiares dos pacientes mortos para fazer a abordagem.

POR: G1/PA

http://xinguaraativa.com.br/wp-content/uploads/2017/10/orgaos.jpghttp://xinguaraativa.com.br/wp-content/uploads/2017/10/orgaos-150x150.jpgGesiel TeixeiraDestaquesParáSaúdePará alcança marca histórica no transplante de órgãos
 A Central de Transplantes do Pará divulgou neste sábado (30) uma marca histórica: mais de quatro doadores para cada um milhão de habitantes, índice nunca alcançado em nível estadual. O número de transplantes realizados em 2017 é grande. Até agosto, foram realizados 197 transplantes de córnea, número superior ao...
Compartilhe: Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn