usp-imagens-840x486

O novo salário mínimo de R$ 954, para trabalhadores, servidores e pensionistas do INSS, deve alcançar cerca de 1,4 milhão de paraenses e injetar R$ 24 milhões mensais no Estado. O salário não teve ganho real e foi reajustado abaixo do percentual da inflação de 2,07%  calculada para 2017.

Segundo pesquisa do Dieese-PA (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos) divulgada nesta quarta-feira (31), os trabalhadores privados começam a receber o novo mínimo até o quinto dia útil de fevereiro  Os servidores federais, municipais, estaduais, aposentados e pensionistas já estão recebendo o novo valor.

Ganhos 

Em 2010, com valor de R$ 510,00, o ganho real acumulado do mínimo no período atingiu 6,02%, resultante de uma variação nominal de 9,68%, contra inflação de 3,45%. Em 2011, embora a taxa de crescimento do PIB de 2009 tenha sido negativa, o piso registrou aumento real de 0,37% e, em 2012, com o repasse do crescimento de 7,5% do PIB de 2010 e feito o arredondamento de valor, o salário mínimo foi fixado em R$ 622,00. Em janeiro de 2013, o valor estabelecido levou o piso para R$ 678,00; em janeiro de 2014 o valor foi fixado em R$ 724,00; em janeiro de 2015 foi fixado em R$ 788,00; em janeiro de 2016 foi fixando em R$ 880,00; em janeiro do ano passado foi fixando em R$ 937,00. Já em janeiro deste ano, o piso foi fixado em R$ 954,00, o que acumula um ganho real desde de 76,57% desde 2003.

http://xinguaraativa.com.br/wp-content/uploads/2018/02/usp-imagens-840x486.jpghttp://xinguaraativa.com.br/wp-content/uploads/2018/02/usp-imagens-840x486-150x150.jpgGesiel TeixeiraDestaquesEconômiaParáNovo mínimo deve injetar R$ 24 milhões no Pará
O novo salário mínimo de R$ 954, para trabalhadores, servidores e pensionistas do INSS, deve alcançar cerca de 1,4 milhão de paraenses e injetar R$ 24 milhões mensais no Estado. O salário não teve ganho real e foi reajustado abaixo do percentual da inflação de 2,07%  calculada para 2017. Segundo...
Compartilhe: Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn