A investigação a respeito da queda do monomotor que caiu nas matas da Embrapa, no Guamá, ocorrida em sábado (2), em Belém, ficará sob responsabilidade da Aeronáutica. A decisão foi anunciada após reunião na Secretaria de Estado da Segurança Pública e da Defesa Social, na avenida Governador Magalhães Barata, na capital, ontem. A Polícia Civil só deverá entrar no caso se houver indício de crime, o que preliminarmente não foi observado. Quatro pessoas morreram no acidente com o Cessna 182 Skylane de prefixo PT-DJH.

Segundo o Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa I), o monomotor decolou no último sábado (2), às 12h50, do Aeroclube do Pará, com cinco ocupantes. Um dos alunos da aula de paraquedismo, Robert Encarnação, conseguiu realizar o salto e chegar em segurança ao solo, antes da queda da aeronave, às 13h38. Os demais passageiros, no entanto, não conseguiram saltar, porque o avião perdeu as asas, o que desestabilizou a aeronave.

“Quando uma aeronave perde uma asa em pleno voo, não tem condições de ninguém sair do avião. O piloto saiu, mas ele não soltou, ele foi lançado para fora, já que o avião entrou em giro, desestabilizado com a falta das asas. Quem está lá dentro não consegue sair. Infelizmente perdemos 3 paraquedistas por uma aeronave, por falha estrutural do avião”, lamenta Alberto Costa, paraquedista profissional.

Foto:  Ary Souza / O Liberal

Foto: Ary Souza / O Liberal

Segundo testemunhas, as asas do avião se soltaram ainda no ar, antes de a aeronave cair em mata fechada na área de Embrapa. “O avião fez um barulho alto no ar, e vimos já um objeto se destruindo no ar mesmo, antes de cair”, conta o vigilante Rosivaldo Batista.

A Aeronáutica informou que começou a investigar o acidente logo após a queda do avião, e que não há previsão para a conclusão do relatório. Segundo o Seripa, a documentação da aeronave e a licença e habilitação do piloto estão regulares.

“Ouvimos o operador e proprietário da empresa dona do avião. Colhemos informações e coordenamos atividades do operador e proprietário. Partimos do fato de que houve o desprendimento das asas. As asas não bateram em nenhum lugar, elas se soltaram. O que causou esse desprendimento é o quebra-cabeça que temos de montar, para saber se o desprendimento é causa primária ou consequência. É trabalho de detive”, disse o coronel do Seripa I Adônis Lukianski.

ORM NEWS

http://xinguaraativa.com.br/wp-content/uploads/2016/07/250604.jpghttp://xinguaraativa.com.br/wp-content/uploads/2016/07/250604-150x150.jpgGesiel TeixeiraAcidenteÁgua Azul do NorteParáAeronáutica assume investigação de acidente aéreo em Belém

A investigação a respeito da queda do monomotor que caiu nas matas da Embrapa, no Guamá, ocorrida em sábado (2), em Belém, ficará sob responsabilidade da Aeronáutica. A decisão foi anunciada após reunião na Secretaria de Estado da Segurança Pública e da Defesa Social, na avenida Governador Magalhães Barata,...
Compartilhe: Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn